RECURSO ORDINÁRIO NO NCPC

Em 22 de agosto, 2017

O recurso ordinário, de competência dos tribunais superiores, é um recurso constitucional, previsto nos arts. 102, II, e 105, II, da Constituição Federal. Não se confunde, portanto, com o recurso ordinário trabalhista, que corresponde, naquela esfera, à própria apelação.

 

Trata-se de um recurso de fundamentação livre, bastante semelhante à apelação cível, embora tenha suas hipóteses de cabimento, no âmbito processual civil, expressamente previstas no art. 1.027 do NCPC, que apenas deixou de reproduzir uma hipótese específica de cabimento de recurso ordinário para o STF, prevista no art. 102, II, b, da Constituição Federal.

 

Por ausência de previsão legal nos arts. 1.027 e 1.028 do NCPC, muito se discute na doutrina acerca da existência ou não de efeito suspensivo quanto a esse recurso. Fredie DIDIER JR. e Leonardo Carneiro da CUNHA defendem que “(…). O art. 1.012 do CPC aplica-se à apelação, não se estendendo ao recurso ordinário constitucional. Isso porque a regra geral é a do art. 995, que somente se excepciona diante de regra expressa em sentido contrário. A exceção prevista no art. 1.012 refere-se apenas à apelação. O disposto nos arts. 1.027 e 1.028 do CPC, que se referem ao recurso ordinário constitucional, não estabelecem a incidência do art. 1.012 a este último. Quer isso dizer que o art. 1.012 do CPC constitui regra que se restringe à apelação. Por ser regra excepcional há de ser interpretada restritivamente, sem ampliação, a não ser que houvesse texto determinando sua incidência ao recurso ordinário constitucional. Como não há, este último deve sofrer os influxos da regra geral, que está no art. 995 do CPC. Significa, então, que o recurso ordinário constitucional não é dotado de efeito suspensivo automático”. Curso de direito processual civil,vol. 3. 13. ed. Salvador: JusPodivm, 2016, p. 295-296). No mesmo sentido são as lições de Daniel Amorim Assumpção NEVES, na obra Manual de direito processual civil – volume único. 8. ed. Salvador: JusPodivm, 2016, especialmente p. 1605. Em sentido contrário, defendendo a existência de efeito suspensivo do recurso ordinário, cf. Teresa Arruda Alvim WAMBIER, Maria Lúcia Lins CONCEIÇÃO, Leonardo Ferres da Silva RIBEIRO e Rogerio Licastro Torres de MELLO, em Primeiros comentários ao novo código de processo civil. 2. ed. São Paulo: RT, 2016, p. 1648 e Alexandre Freitas CÂMARA, O novo processo civil brasileiro. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2017, 544.

 

Ainda sobre os efeitos do recurso ordinário, pode-se dizer que goza de efeito devolutivo amplo (nas suas dimensões horizontal e vertical) e translativo, muito embora se trate de recurso julgado pelo STF e STJ.

 

O NCPC acabou com discussão que havia à luz do CPC/73, a respeito da existência de um juízo prévio de admissibilidade no Tribunal de origem. Agora, conforme dispõe o art. 1.028, §3º, só há um juízo de admissibilidade, que deve ser feito no juízo ad quem.

 

      CLIQUE AQUI e conheça agora mesmo o exclusivo Curso Prático de Recursos Cíveis que o IDC preparou com exclusividade para você. E o melhor: na companhia de Professores que dispensam apresentação e possuem larga experiência profissional, abordando tudo o que você deve (e não deve) levar em conta na elaboração de determinado recurso.

 

Trata-se de um curso teórico e prático, aliando aulas com quem realmente entende do assunto com modelos de peças super atualizados, todos elaborados cuidadosamente pela Equipe do IDC. Não perca mais tempo: INSCREVA-SE JÁ!